16 dezembro 2014

Aninha Albuquerque: Cozinha sob Pressão



Hell's Kitchen!
Mais pressão, menos um! Ou uma!

Nesse último episódio, o programa fez jus ao título original, gente! Que inferno!! Achei que o Bertz ia ter um treco durante o serviço, falando sério! Zona infernal! Hahaha! Mas vamos desde o começo, com a primeira prova, que agora dá prêmio individual. Os 6 competidores restantes teriam que usar cortes de carne de segunda para preparar pratos de alta gastronomia... Disponíveis para os cozinheiros: acém, peito, paleta, músculo, rabo e charque. Então a prova teria início com o competidor que escolhesse a maleta premiada com uma faca dourada. Esse cozinheiro poderia escolher o corte com o qual trabalharia, e também o corte de mais alguém. Daí por diante, os participantes seguiriam a sequência, pensando em ajudar ou atrapalhar o fulano ou fulana seguinte, dando-lhe um corte que poderia funicar-lhe a vida... Muahaha-ha-haaaa! A coisa podia ficar sinistra pra alguns, né?

Bóra lá, Daniele tirou a faca dourada, e escolheu charque para sí, e deu a paleta para Arthur, que escolheu músculo para Marcelo. Este escolheu acém para Bia, que deu peito para Carol. Sobrou o rabo para Derileusa! Eitaaa! OK, os cozinheiros teriam que fazer o prato com acompanhamento, mas usando apenas o que tinha de ingredientes dentro da cozinha dentro em uma hora e meia.
Alguns cozinheiros se viraram bem, estavam mais familiarizados com o corte que lhes foi dado, enquanto outros estavam mais perdidinhos. Com ingredientes limitados, os caras tiveram que usar a imaginação e a critividade. Se viraram como puderam, né? Tinha gente usando tudo que era ingrediente que havia na cozinha! Daniele resolveu fazer um risoto, e na hora já pensei: vai se dar mal; o Chef Bertolazzi já avisou em programas anteriores que dificilmente alguém iria impressionar numa prova apresentando um risoto... Carol estava inventando peripécias, usando até pipoca! Derileusa se virava para cozinhar sua rabada na pressão, e Arthur até que conseguiu fazer alguma coisa com a paleta. No julgamento, Bertz criticou a escolha de Marcelo, dizendo que era para usar um corte do dia-a-dia, e não para fazer um prato do dia-a-dia;Marcelo apresentou algo muito básico.
Os pratos de Marcelo e Derileusa estavam bons, mas eram pratos que o Chef curte comer em casa, e não pratos que eles espera que sejam servidos numa prova do programa. Com Dani aconteceu o que eu havia previsto: não impressionou! O prato apresentado por Bia estava bom, equilibrado, bem apresentado, mas Bertz esperava mais dela...
Os pratos que mais agradaram ao Chef Bertz foram os de Arthur e Carol, mas quem cumpriu o objetivo da melhor forma foi a fófi de olhinhos azuis... Como vencedora, Carol levou um smartphone bacanérrimo, modernérrimo e todos os "érrimos" possíveis, além de ter a opção de levar alguém com ela ao passeio até o Chefs Especiais, onde Bertolazzi também é voluntário. Claro que ela escolheu a amiga Bia. e lá foram as bonitinhas passar um tempo delicioso com os cozinheiros excepcionais! LINDOS, queridos demais esses fofinhos, tão talentosos, meigos... Adoro esse projeto, gente! Tem que ser fã mesmo, porque o trabalho de capacitação feito por lá é muito bacana! Exemplo a ser seguido por outras empresas e instituições, com certeza! Carol e Bia se divertiram um bocado por lá, cozinhando com a ajuda dos jovens Chefs mais do que especiais... Enquanto isso, os outros cozinheiros ficaram preparando o serviço do salão, polindo talheres, copos, arrumando mesas, além de ter que lavar a louça e limpar a sujeirada toda na cozinha! Reclamaram móóóóito, pra variar, né? Lá estava a Derileusa resmungando, falando...

Nesse programa do Sábado, 13 de Dezembro, o público tomou conhecimento de mais um prêmio: Bertz agitou para que o vencedor tivesse garantida uma vaga para trabalhar (por um mês, de acordo com o site do programa) em Las Vegas com o Chef Scot Conant, do restaurante Scarpetta (que conta com mais dois spots, um em L.A e outro em Miami). Scot é amigo de Bertolazzi, eles já trabalharam juntos, e o cara não é fraco, não! Baita oportunidade pra qualquer cozinheiro, né? Fora os 100 mil reais am barras de ouro! Moral, hein Bertz?! Mas agora sim, o padrão da franquia tá valendo, porque nas edições do Hell's Kitchen isso realmente acontece, o vencedor ganha um trampo num restaurante de peso além do prêmio em dinheiro.

Depois de se reunir no lounge, de ver o cardápio, se familiarizar, e se preparar para o serviço, os fófis se juntam ao Chef Bertolazzi na cozinha. Bertz decide a distribuição das praças: na entrada, Carol fica com o Flan, e Marcelo com o Vitelo; para o primeiro prato, Dani fica com o Crepe e Arthur fica com a Pasta alla Norma; no prato principal, Derileusa fica com a Fraldinha, e Bia com a Rabada.
Abrem-se as portas do inferno! Ops, digo, do Cozinha sob Pressão, e os pedidos começam a ser cantados. Carol se atrapalhou com o padrão das suas entradas no começo, levou umas chamadas básicas do Chef, que mandou os pratos de volta, orientou, e a mocinha acabou acertando logo. Tudo corrigido a tempo, sem dar caca no serviço. Arthur estava dando conta da sua praça e de lambuja ajudava Dani com o molho bisque para os crepes de camarão. O carequinha ligeirinho manda bem, mesmo, e estava tranquilo até que Derileusa começa a dar o ar da graça, c@#&ndo com a beringela que iria na Pasta alla Norma, que a dona doida empanou ao invés de dar uma chapeada de leve pra pegar uma cor, como a receita pedia. E lá foi a Derileusa, com cara de poucos amigos, refazer tudo do zero! Perdeu-se o pré-preparo e começa a lambança. Arthur dá uma forcinha, mas lá está a baiana colocando as beringelas na FRITADEIRA! É pra tomar comida, né?  E a dona reclamona não aceita que erra, por nada no mundo! Sempre é alguma outra coisa e não culpa das pataquadas dela. E dá-lhe bater boca, bicuda e mal-humorada! AFF! Tem que ter um saco, uma paciência... E os pedidos atrasando por culpa de quem? Humpf! Aaaaaai Derileusaaaa!

Bom, o destaque desse nono episódio fica por conta de Arthur, o faz-tudo! Geeente, eu me acabei de rir com a crise do fófi. Por ter trabalhado por ele, pela Dani e pela Derileusa, foi mandando descansar um pouco pelo Chef. Desconsolado, mais como se tivesse recebido um castigo, Arthur foi para o lounge, e alí fez de tudo, menos descansar. Não parava quieto de jeito nenhum! Hahahaha! Andava pra lá e pra cá, arrumava objetos, voltava para a porta da cozinha, enfiando a cara no vidro para ver o que estava acontecendo, e chegou mesmo a entrar na cozinha, pedir pra voltar, mas foi mandado de volta pro lounge, desesperado! A toda hora via-se a carequinha do moço na escotilha, parecendo o gato curioso com o conteúdo do aquário! Hilário!
Marcelo assumiu a praça do carequinha, acho até que Bertz quis ver se o cara tinha as manhas de levar o serviço do Arthur numa boa, se conseguia se virar bem. Marcelo começou já errando o tamanho da porção, tomou comida do Chef, consertou, e ainda não foi! Hahahaha! Não é que o fófi se sai com um "o molho talhou", para surpresa de Bertz, já que o molho era de tomate! Ai Marceeeeelo! Como assim fófi? Aí o moço toma mais chamada de Bertz por causa da montagem do prato, tamanho e visual errados... Mas Marcelo corrigiu, e aí sim, foi! AFF!

Então temos, novamente, Derileusa, errando o ponto da carne, os pratos voltando um após o outro, todas as carnes mal passadas, cruas, e mais furdúncio. Dona doida não admite o erro, não tem Cristo que faça esse milagre acontecer alí viu? Teimoooosa que só ela! AO PONTO muié!! Sapateia, Derileusa! A desculpa era que a carne estava muito alta... Nó!!! Com fófi querendo ajudar, na maior boa vontade, a doida ainda fica com raiva e pára de responder... Bom, chega uma hora em que Arthur tem que voltar pra salvar a pátria. Bertz convoca o carequinha, e lá vai ele para a estação da Deri, coloca ordem no galinheiro e os pedidos saem.
Carol ficou a cargo da sobremesa também, e as suas Panacotas são mandadas sem problemas.
Caramba! Que infernal esse serviço, povo! Bertz chegou a dizer que num serviço desses, ele tem vontade de fechar o restaurante. Elogiado por dar conta da própria praça e ainda conseguir ajudar os outros, Arthur é escolhido para nomear alguém que ele salvaria da eliminação. Pelo bom trabalho naquela noite, ele escolhe Carol. Tenho quase certeza de que Carol e Arthur serão os dois finalistas do programa, a não ser que aconteça uma desgraça! Os cozinheiros são enviados ao lounge para voltar com nomes para a eliminação.

Para mim as escolhas eram óbvias: Derileusa, com certeuza! E a doida ainda me fala em "conspiração"! Fala sério! A outra escolha foi Marcelo, até pelas trapalhadas, mas é mais do que óbvio e ululante que a eliminada (demorou!!!) é Derileusa. Nem tem mais o que comentar, né gente? Nesse ponto da competição, uma Derileusa na cozinha é no mínimo marmelada... Passou do ponto, errou no ponto, dormiu no ponto. Ponto pacífico: Derileusa, OUT! Ha-ha-ha. A Senhora Risadinha, que também não admite que rí quando toma chamada, destoa do grupo, segundo Bertz. O Chef comenta (e todo mundo que assiste também deve ter perecebido esse detalhezinho) que a fófi tem uma comida boa, mas o serviço dela não é bom. Ela entrega a Dolma, e acabou pra ela. E é claro que ela diz no depoimento que "já esperava". Aaaaaai, Derileusa! Em tempo: Bertolazzi diz pra Marcelo que a salvação dele foi a quantidade de erros de Deri... Não sei, não... Pra mim, a cabeça da baiana estava pra rolar faz tempo, e ela já foi tarde. Como assim, uma cozinheira bate boca com o Chef, desrespeita o serviço, não tá nem aí pra hierarquia, que é fundamental numa cozinha profissa, e é poupada? Capaz!

Então é isso, moçadinha! Sábado que vem é mais uma cabecinha que rola, né? Bóra assistir que o fogo tá ficando mais forte!! AH SIIIIM! Lembrem-se que temos a finalééérrima do MasterChef Brasil na Terça-feira, e se Papai do Céu ajudar, e meu pezinho torcido se comportar direitim, o post sai na Quarta-feira, prometo! :D
Beijinhos e até já! :)

Aninha



15 dezembro 2014

Aninha Albuquerque: Master Chef Brasil
Falta quase nada... Quase!


Falta quase nada... Quase!


O MasterChef Brasil está chegando ao final, gente! E agora é, sim, a hora do vamos ver. Os bonitinhos vão ter que provar que não chegaram até este ponto à toa, que têm o que é necessário para se tornar o 1º MasterChef do país. E há que se dizer que isso não é a tarefa mais fácil. Até agora, os competidores fizeram lá suas peripécias na cozinha, utilizaram ingredientes que nunca haviam sequer tocado, experimentado. Todo cozinheiro que se preze precisa mostrar que consegue se virar com o que lhe é apresentado para trabalhar, e fazer o melhor uso possível dos ingredientes. Nesse programa de Quinta-feira, 11 de Dezembro, os participantes de depararam com dois lados bem opostos da culinária: sofisticação total, com ingredientes ricos e na maior parte do tempo acessíveis a bem poucos, e carnes nem sempre fáceis de trabalhar e tornar apetitosas. Mas vamos por partes...
Helena, Luís, Elisa e Mohamad foram levados ao tradicionalíssimo, chiquérrimo Figueira Rubayat, onde cozinhariam. Os competidores receberam ingredientes nobres que usariam para fazer seus pratos, que seriam apresentados e avaliados pelos convidados, por sinal, nomes muito respeitados na gastronomia - o Chef do restaurante Epice, Alberto Landgraf, o Sommelier do Fasano, Manoel Beato, Bel Coelho, Chef do Clandestino, e Mara Salles, Chef do Tordesilhas.




11 dezembro 2014

Aninha Albuquerque: Master Chef Brasil
Preparando para a reta final!


Preparando para a reta final!


Nossa, gente! Passou muito rápido mesmo!
Acho que para a primeira edição brazuca do MasterChef, o povo está se saindo bem, né?
Tenho ressalvas quanto a posturas, principalmente dos Chefs-jurados, coisa de emissora, e tem que levar em conta que aqui no Brasil, principalmente quando o negocio é Reality Show, não importa de qual segmento, há uma certa tendência de ir levando o programa com base na audiência, e aí leia-se preferências, favoritismos, etceteras, e etceteras...